Ajuda

O Livro

A queda da Babilónia

1 Depois de tudo isto vi um outro anjo descer do céu, e tinha uma grande autoridade, de tal maneira que toda a Terra ficou iluminada com o seu esplendor.
2 E gritou com uma voz muito forte: "Caiu, caiu a grande Babilónia! Ela tornou-se num refúgio de demónios e espíritos maus, um ninho de toda a ave imunda e repugnante.
3 Porque todas as nações beberam o vinho mortal das suas tremendas imoralidades. Os governantes da Terra tiveram com ela relações ilícitas; o comércio de todo o mundo tornou-se florescente só à custa do luxo faustoso que nela havia."
4 Então ouvi outra voz do céu que dizia: "Sai dela, meu povo, para não tomares parte nos seus pecados e para não vires a ser castigado juntamente com ela com as mesmas pragas
5 Porque os seus pecados se têm acumulado até ao céu. Deus está pronto a julgá-la pelos seus crimes.
6 Tratem-na como ela vos tratou, e que o seu castigo seja duplicado em relação àquilo que merecem os seus pecados. Na taça em que vos fez beber maldade e desgraça, que ela seja obrigada agora a beber do mesmo duas vezes mais.ÿ
7 Viveu no luxo e no prazer; que agora saiba, na mesma medida, o que é o sofrimento e a tristeza. Gaba-se dizendo: 'Sou rainha no meu trono. Não sou como qualquer viúva desamparada, e nem sequer saberei o que é o luto.'-
8 Pois por isso mesmo é que num só dia tudo lhe cairá em cima: a tristeza da morte, o choro, a fome; será destruída pelo fogo e reduzida a cinzas. Porque é poderoso o Senhor Deus que a julga."
9 E os governantes deste mundo que se juntaram a ela nas suas libertinagens imorais hão-de lamentá-la quando virem que dela só fica o fumo que sobe das suas cinzas.
10 Hão-de pôr-se de longe, com medo daquele grande tormento, e lamentar-se-ão: "Ai de Babilónia, aquela poderosa cidade! Um instante bastou para que fosse executada a sua condenação."
11 Os comerciantes da Terra chorarão e lamentar-se-ão por causa dela, pois que desapareceu aquele grande mercado.(
12 Ela lhes comprava grandes quantidades de ouro, prata, jóias com pedras preciosas e pérolas, rico vestuário de linho fino e sedas de púrpura e escarlate; belas peças de imensas variedades de madeira perfumada e de marfim; e tudo o que poderia fabricar-se, como utensílios ou objectos de ornamentação, nas madeiras mais preciosas e em bronze, ferro e mármore
13 e ainda requintadas especiarias e temperos, produtos de beleza, perfumes, óleos e cremes; assim como vinhos, azeite, finas farinhas e também gado variado, ovelhas e cavalos em abundância; e carruagens, escravos - e até almas de homens!
14 "Todas as coisas finas e extravagantes de que tanto gostavas desapareceram", choravam eles. "O luxo e a vida faustosa nunca mais serão teus. Foram-se para sempre."
15 Os comerciantes que se tinham enriquecido com a venda de tudo aquilo ficarão à distância com medo daquele grande tormento, e chorando lamentar-se-ão:
16 "Que desgraça! Aquela grande cidade, tão bela como uma mulher vestida da púrpura mais fina e de fino linho escarlate, e com belas jóias de ouro, pérolas e pedras preciosas!
17 Num instante todas essas riquezas se foram!"E todos os que navegam e trabalham no mar, comandantes e tripulações, se hão-de pôr de longe,
18 chorando enquanto contemplam o fumo a subir do incêndio, dizendo: "Que cidade haveria, no mundo inteiro, semelhante a esta?"
19 E na sua tristeza e desespero lançarão pó sobre as suas cabeças e lamentar-se-ão: "Ai daquela enorme cidade! A sua prosperidade tinha-nos enriquecido a todos nós que dependíamos do comércio nos mares, e agora num instante desapareceu!"
20 Mas tu, ó céu, e vocês todos filhos de Deus, os seus enviados e os que anunciam a sua palavra, alegrem-se, porque, ao condená-la, Deus fez-nos justiça e vingou-vos.
21 E um anjo, de aspecto muito vigoroso, pegou numa pedra do tamanho de uma grande mó, jogou-a ao mar e disse: "É assim que é lançada fora Babilónia, essa grande cidade, de tal forma que nem sequer deixará vestígios!¸
22 Nunca mais ali se ouvirá o som de música - nem harpas, cânticos, flautas ou trombetas. Também se deixarão ali de ver, para sempre, operários seja de que actividade for. Nunca mais se moerá farinha;
23 nunca mais se acenderá uma luz; nunca mais ali se verá a alegria de um casamento, e a felicidade de um casal de noivos! Os teus comerciantes tinham-se tornado grandes senhores da terra. E o mundo inteiro se deixou enfeitiçar pelos teus atractivos.
24 Foi também ali que correu o sangue dos santos e dos enviados em nome de Deus, mortos na Terra!"
© 2017 ERF Medien