Schließen
BibleServer is a donation based project by ERF Medien. 25 € will help us to secure next years funding.
Ajuda

O Livro

Jesus entra em Jerusalém

1 Quando estavam já perto de Betfagé e Betânia, nos arredores de Jerusalém, e chegaram ao Monte das Oliveiras, Jesus mandou dois dos discípulos à frente
2-3 "Vão até àquela aldeia além, e assim que entrarem verão ali presa uma cria de jumento que ninguém montou ainda. Soltem-na e tragam-na cá. Se alguém vos perguntar o que fazem, digam apenas: 'O Senhor precisa dela e tornará a entregá-la dentro de pouco tempo'."
4-6 Os dois homens lá foram e de facto viram ali a cria de jumento na rua, amarrada do lado de fora de uma casa. Quando a estavam a soltar, alguns que ali se encontravam perguntaram: "Que fazem vocês a desamarrar o jumentinho?" Responderam conforme Jesus tinha mandado, e os homens consentiram.
7 Levaram, pois, o jumentinho, e os discípulos puseram os mantos em cima do lombo do animal para que Jesus o montasse.
8 Muitas pessoas de entre a multidão espalharam as roupas ao longo da estrada à sua frente, enquanto outras estendiam-lhe ramos de folhas apanhados nos campos
9 Ele ia no meio do cortejo, tendo à frente e atrás o povo, que gritava várias frases, como:"Glória a Deus!"Bendito aquele que vem em nome do Senhor!
10 Bendito seja o reino que vem estabelecer, o reino do nosso pai David!" Glória a Deus nos altos céus!"
11 Entrou, pois, em Jerusalém e dirigiu-se para o templo. Reparou atentamente em tudo à sua volta e foi-se embora, pois a hora já ia adiantada naquela tarde, retirando-se para Betânia com os dozes discípulos.
12-14 No outro dia de manhã, quando saíam de Betânia, Jesus sentiu fome. A pouca distância reparou numa figueira toda coberta de folhas e foi ver se tinha figos; mas não, só havia folhas. Aliás era ainda muito cedo para a figueira dar fruto. Então Jesus disse à árvore: "Nunca mais darás fruto!" Palavras estas que os discípulos ouviram.
15-17 De novo em Jerusalém, foi ao templo, onde começou a mandar embora os negociantes que ali havia e os seus fregueses, e a afastar as bancas dos que trocavam dinheiro e as dos vendedores de pombas, não deixando também que entrassem mais mercadorias. E dizia-lhes: "Está nas Escrituras: 'O meu templo deve ser um lugar de oração para todas as nações', mas vocês o transformaram num covil de ladrões."
18 Quando os principais sacerdotes e mestres da lei souberam do que tinha feito, começaram a estudar a melhor maneira de acabarem com ele. Todavia, tinham medo dele, e que houvesse algum tumulto, porque o ensino de Jesus entusiasmara o povo.
19 Naquela tarde, Jesus e os discípulos deixaram a cidade.

A figueira secou

20-21 Na manhã seguinte, indo a passar pela figueira que ele tinha amaldiçoado, viram os discípulos que estava seca desde as raízes! E Pedro, lembrando-se do que Jesus dissera à árvore na véspera, exclamou: "Olha, Mestre, a figueira que amaldiçoaste secou!"
22-23 Jesus explicou aos discípulos: "Se tiverem fé em Deus, e isto é uma profunda verdade, poderão dizer a este Monte das Oliveiras: 'Levanta-te e cai no mar', e a vossa ordem será obedecida. O que é preciso é crer e não duvidar no seu coração!
24 Ouçam, pois: podem pedir seja o que for em oração que, se crerem, hão-de alcançá-lo
25-26 Mas, quando estiverem a orar, perdoem primeiro a toda e qualquer pessoa contra a qual sintam ressentimento, para que o vosso Pai que está no céu vos perdoe os pecados também."

A autoridade de Jesus questionada

27-28 Entretanto, chegaram de novo a Jerusalém e, enquanto passava no recinto do templo, os principais sacerdotes, os mestres da lei religiosa e os outros chefes foram ter com ele e perguntaram-lhe: "Com que autoridade expulsaste os mercadores do templo? Quem te deu tal autoridade?"
29-30 "Eu vos direi se responderem a uma pergunta: Que pensam de João Baptista? Foi mandado por Deus ou não?"
31 Eles puseram-se a trocar impressões entre si: "Se respondermos que foi Deus que o mandou, logo perguntará: 'Então porque não o aceitaram?' Mas se dissermos que não foi Deus que o mandou, o povo revoltar-se-á logo." Porque o povo estava convencido de que João era profeta. Assim, disseram: "Não sabemos" Jesus respondeu: "Também eu não respondo à vossa pergunta."
© 2016 ERF Medien